Meu Monstro

Meu monstro não tem nome
Mas sei qual é
Ele devora sonhos
E mastiga fé
E não há como revidar
Nada parece funcionar
Já se foram minhas forças pra lutar

Dias e dias e esforços e brigas
E choros e medos e frios na barriga
E sombras e noites e roubos à mao
Armada e o medo que temos de sair
De sair

Contas nao pagas e o preço das fraldas
Só sobe e o pobre com a mesma falsa
Esperança não tem pra onde ir nem
Onde se apoiar senão no seu Deus
Onde Ele esta?

Eu me rendo
De mãos ao alto estou
Leve tudo
Tudo o que sobrou
Se é que algo sobrou

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s